Curso de Videocirurgia do Quadril na Sociedade Norte Americana de Artroscopia (ANNA)


Em julho de 2013 Dr. Rodrigo Scheidt realizou curso de videocirurgia do quadril em Chicago nos Estados Unidos, na sede da Sociedade Norte Americana de Artroscopia (ANNA).  Neste curso estavam presentes os maiores especialistas e pesquisadores em cirurgia artroscópica do quadril na atualidade, dentre eles Marc Phillipon de Vail (EUA) e Victor Ilizaturri (México).


Foram realizadas aulas teóricas com apresentação das últimas atualizações em cirurgia do quadril e treinamento prático em videocirurgia do quadril no laboratório do Instituto. “ O treinamento com auxílio de profissionais renomados mundialmente na cirurgia do quadril facilita e aprimora o nosso conhecimento profissional”, ressalta Dr. Rodrigo Scheidt.

Curso de Videocirurgia do Quadril

Artroplastia de Quadril


O uso de materiais biológicos e inorgânicos para a substituição da articulação do quadril se tornou popular no início do século XX. No início os resultados eram imprevisíveis com quadris dolorosos e com pouco movimento. 

A maior revolução na cirurgia do quadril foi desenvolvida pelo senhor John Chanrley, ao inovar com o conceito de “artroplastia de baixa fricção”. A qual se deu aos materiais utilizados, cabeça de metal com polietileno no acetábulo, além da fixação com cimento ortopédico ou polimetilmetacrilato (PMMA).

Com este novo conceito Sir Jonh Chanrley mudou os resultados e as expectativas da artroplastia total de quadril, tornando um procedimento com resultados previsíveis e reprodutíveis melhorando significativamente a vida de muitos pacientes.

Cirurgia de quadril em Criciúma


Para as artroplastias de quadril existem inúmeros modelos de próteses de marcas variadas, mas basicamente elas se dividem em próteses cimentadas, híbridas (componente femoral não cimentado e haste femoral cimentada), híbrida reversa (componente acetabular cimentada e haste femoral não cimentada), e a prótese total não cimentada. Existem também as próteses parciais de quadril, normalmente utilizadas em casos de fratura do colo do fêmur e pacientes com baixa demanda funcional. 

A decisão da utilização de cada uma delas leva em consideração uma série de fatores, relacionados ao paciente (idade, qualidade óssea, comorbidades ou doenças associadas, forma do osso de cada paciente dentre outras) e aqueles fatores relacionados ao cirurgião como experiência com cada tipo de implante durante sua formação.

O princípio de “artroplastia de baixa fricção” se manteve e hoje em dia o que está em foco é o tipo de superfície utilizada. A pesquisa continuada nos dias atuais ajuda a melhorar os resultados cirúrgicos assim como a duração dos implantes, principalmente nos pacientes jovens. Uma das grandes incertezas com relação à artroplastia de quadril em pacientes mais jovens era a duração do implante antes que houvesse o afrouxamento ou o desgaste. Então anos atrás se orientava para aguardar ao máximo para a realização do procedimento, mesmo que isso levasse a um sacrifício por parte do paciente e uma perda da qualidade de vida importante ao cliente. Atualmente este conceito mudou, com a melhora da técnica cirúrgica, com incisões menores, com reabilitação pós-operatória precoce (caminha-se no primeiro dia após a cirurgia), com a melhora dos implantes, cada vez mais pacientes mais jovens realizam este procedimento com segurança. Então a idade não é mais um fator determinante na indicação cirúrgica e a diminuição da qualidade de vida passou a ser o fator principal na indicação cirúrgica.

Existem algumas superfícies de contato nas artroplatias, aquela consagrada por Chanrley de metal X polietileno, a metal X metal, a cerâmica X polietileno e a cerâmica x cerâmica.

Atualmente segundo a literatura mundial, a superfície de cerâmica X cerâmica e a de cerâmica X polietileno crosslinked são as superfícies que menos desgastam com o tempo, sendo indicadas em pacientes mais jovens. 

Artrose do Quadril


O termo “osteoartrose” ou “osteoartrite” significa um processo inflamatório, degenerativo da articulação resultando em destruição articular, desgaste da cartilagem e formação de osteófitos. Clinicamente se traduz principalmente por dor, restrição de movimentos da articulação acometida e atrofia muscular. 

A osteoartrose (também conhecida como artrose) é classificada em primária ou idiopática quando a causa é desconhecida, ou em secundária quando é decorrente de alguma alteração preexistente. No quadril a osteoartrose secundária é a mais prevalente, normalmente decorrente de deformidade anatômica, como sequela de alguma fratura, decorrente de doenças infecciosas ou reumáticas ou ainda decorrentes das doenças que acometem o quadril na infância (epifisiólise, doença de Legg-Perthes-Calvé, coxa valga, coxa vara, displasia do desenvolvimento do quadril dentre outras).

Osteoartrose, Osteoartrite


O tratamento da osteoartrose do quadril (artrose do quadril) inclui orientação funcional medicamentos, cirurgia reparadora ou preservadora do quadril e cirurgia de substituição articular ou artroplastia total de quadril.

Na orientação funcional estão indicadas atividades físicas sem impacto como musculação, hidroginástica, natação, dentre outras. O objetivo é o reforço da musculatura do quadril que irá proteger a articulação, diminuir o estresse sobre a articulação já sofrida e até mesmo melhorando o pós-operatório caso haja necessidade de um procedimento cirúrgico. Dentre inúmeras medidas o reforço muscular é o que mais traz benefício ao paciente. A perda de peso também é recomendada para pacientes com quadro de osteoartrose do quadril.

Medicamentos fazem parte do arsenal terapêutico para o paciente com artrose do quadril. Normalmente são associados analgésicos (paracetamol, codeína, cloridrato de tramadol e outros) com relaxantes musculares e anti-inflamatórios não hormonais. Ainda existem os condroprotetores (condroitina e glicosamina) que possuem seu espaço no tratamento da artrose do quadril, assim como a diacereína e os anti-inflamatórios fitoterápicos.

Nos casos em que há indicação de procedimento cirúrgico há duas opções. Naqueles pacientes que apresentam artrose em estágios iniciais podem ser realizadas as cirurgias denominadas preservadoras ou reparadoras do quadril, dentre elas as osteotomias femorais e acetabulares e a osteocondroplastia femoroacetabular, podendo ser realizada por cirurgia aberta ou por videoartroscopia do quadril, para o tratamento do impacto femoroacetabular.

Naquelas articulações em que o desgaste for acentuado a cirurgia mais indicada é a substituição da articulação doente, denominada artroplastia total de quadril. 
  • Rua João Cechinel 368 - 2o andar - CEP 88811-500
  • Criciúma - SC - Fone: (48) 34371788
  • e-mail: rbscheidt@gmail.com